Ir para o conteúdo

Vale Real e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Previsão para hoje (quarta, 21 de fevereiro)
min 17 ºC max 29 ºC
Redes sociais
Vale Real
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEIS Nº 1025, 14 DE NOVEMBRO DE 2012
Em vigor

LEI Nº 1.025/2012, de  14 de novembro de 2012.

 

 

 

ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE VALE REAL PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2013.

.

SILVERIO STROHER, Prefeito Municipal de Vale Real, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

                               FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e eu sanciono o seguinte:

 

LEI:

 

CAPÍTULO I

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Art. 1o. Esta Lei estima a receita e fixa a despesa do Município para o exercício financeiro de 2013, referentes aos Poderes do Município, seus fundos, órgãos e entidades da Administração direta e Indireta.

§ 1o. Constituem anexos e fazem parte desta Lei:

I – Demonstrativo da receita e da despesa do Município para o exercício a que se refere a proposta e os dois seguintes, a receita realizada dos três últimos exercícios encerrados e a prevista para o ano corrente;

II – Demonstrativo da receita corrente líquida projetada para 2013;

III - Metodologia e premissa de cálculos realizados, nos termos do que dispõe o art. 12 da Lei Complementar no 101, de 2000 - LRF;

IV – Anexos orçamentários 1, 2, 6, 7, 8 e 9 da Lei no 4.320, de 1964;

V - Descrição sucinta de cada unidade administrativa e de suas principais finalidades com indicação da respectiva legislação (parágrafo único do art. 22 da Lei no 4.320, de 1964);

VI - Quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva legislação (inciso III, do § 1o, do art. 2o da Lei no 4.320, de 1964);

VII - Quadros demonstrativos da receita e planos de aplicação dos fundos especiais (inciso I, do § 2o do art. 2o da Lei no 4.320, de 1964);

VIII - Demonstrativo da estimativa e compensação da renúncia da receita (LRF, art. 5o, II)

IX - Demonstrativo da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado (LRF, art. 5o, II);

X – Demonstrativo da receita e impostos e das despesas com Ações e Serviços Públicos de Saúde;

XI - Demonstrativo das receitas e despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino – MDE e FUNDEB;

XII - Anexo de compatibilidade do orçamento com o anexo de metas fiscais (LRF, art. 5o, I):

XIII – Anexo demonstrativo da despesa com pessoal do Executivo, do Legislativo e consolidado do Município orçado para 2013;

XIV – Anexo demonstrativo dos limites do Poder Legislativo para 2013;;

XV – Anexo demonstrativo do limite dos gastos administrativos do Regime Próprio de Previdência Social - RPPS orçados para 2013;

XVI – Anexo demonstrativo da receita e da despesa por destinação e fonte de recursos.

§ 2o. O anexo XII deste artigo atualiza os valores relativos às metas de resultados fiscais do anexo de metas fiscais de que trata a Lei de Diretrizes Orçamentárias, nos termos do art. 4o, § 1o da LRF.

CAPÍTULO II

DO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

Art. 2o. O Orçamento do Município, em obediência ao princípio do equilíbrio das contas públicas de que trata a Lei Complementar no 101, de 2000, art. 1o, § 1o, fica estabelecido em igual valor entre a receita estimada e a soma da despesa fixada acrescida das reservas de contingências, totalizando R$ 13.000.000,00 (Treze milhões de reais).

Seção I

 

Da Estimativa da Receita

 

Art. 3o. Art. 3º - A Receita Orçamentária é estimada, no mesmo valor da Despesa, em R$ 13.000.000,00 (treze milhões de reais). 

Art. 4o. A estimativa da receita por Categoria Econômica, segundo a origem dos recursos, será realizada com base no produto do que for arrecadado, na forma da legislação vigente e de acordo com o seguinte desdobramento:

.

ESPECIFICAÇÃO

RECURSOS

 ORDINÁRIOS

RECURSOS

VINCULADOS

 TOTAL

 1 – RECEITAS CORRENTES

6.720.080,00

7.343.920,00

14.064.000,00

 Receita Tributária

738.930,00

385.820,00

1.124.750,00

 Receita de Contribuições

-

263.000,00

263.000,00

 Receita Patrimonial

32.500,00

726.700,00

759.200,00

 Receita Agropecuária

-

-

-

 Receita Industrial

-

-

-

 Receita de Serviços

436.250,00

-

436.250,00

 Transferências Correntes

5.265.200,00

5.933.600,00

11.198.800,00

 Outras Receitas Correntes

247.200,00

34.800,00

282.000,00

 

 

 

 

 2 – RECEITAS DE CAPITAL

56.000,00

51.000,00

107.000,00

Operações de Crédito Internas

50.000,00

-

50.000,00

Operações de Crédito Externas

-

-

-

Alienação de Bens

-

20.000,00

20.000,00

 Outras Receitas de Capital

6.000,00

31.000,00

37.000,00

 

 

 

 

7 – RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS

-

522.000,00

522.000,00

Receita de Contribuições – Intra Orç

-

522.000,00

522.000,00

Receita Parimonial – Intra Orç

-

-

-

Outras Receitas Correntes – Intra Orç

-

-

-

 

 

 

 

8 – RECEITAS DE CAPITAL INTRA ORÇAMENTÁRIAS

-

-

-

Alienação de Bens – Intra Orç.

-

-

-

Amortização de Empréstimos – Intra.Orç.

-

-

-

Outras Receitas de Capital – Intra Orç.

-

-

-

 

 

 

 

9 – DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE

-

1.693.000,00

1.693.000,00

 

FPM – FUNDEB

-

1.200.000,00

1.200.000,00

ITR – FUNDEB

-

200,00

200,00

LEI 87/96 – FUNDEB

-

3.800,00

3.800,00

ICMS – FUNDEB

-

380.000,00

380.000,00

IPVA – FUNDEB

-

100.000,00

100.000,00

IPI/EXP. – FUNDEB

-

8.000,00

8.000,00

DEDUÇÃO - IPTU

-

-

-

DEDUÇÃO RENDIMENTO RPPS

-

1.000,00

1.000,00

 TOTAL

6.776.080,00

6.223.920,00

13.000.000,00

Seção II

Da Fixação da Despesa

 

Art. 5º  - A Despesa Orçamentária, no mesmo valor da Receita Orçamentária, é fixada em R$ 13.000.000,00 (treze milhões de reais) sendo:

I -     No Orçamento Fiscal, em R$ 11.510.000,00 (Onze milhões, quinhentos e dez mil reais);

 

II -    No Orçamento da Seguridade Social, em R$ 1.490.000,00 (Hum milhão, quatrocentos e noventa mil reais);

 

Art. 6º - A despesa total fixada, apresenta o seguinte desdobramento:

 

GRUPO DE DESPESA

RECURSOS

ORDINÁRIOS

RECURSOS

 VINCULADOS

TOTAL

3. DESPESAS CORRENTES

5.606.700,00

4.852.670,00

10.459.370,00

 3.1 - Pessoal e Encargos Sociais

2.260.800,00

2.409.200,00

4.670.000,00

3.1 - Pessoal e Encargos Social

         Operações Intra Orçamentárias

 

-

 

508.637,50

 

508.637,50

 3.2 - Juros e Encargos da Dívida

115.000,00

-

115.000,00

 3.3 - Outras Despesas Correntes

3.230.900,00

1.934.832,50

5.165.732,50

3.3 - Outras Despesas Correntes

  Operações Intra Orçamentárias

 

-

 

-

 

34.000,00

4. DESPESAS DE CAPITAL

919.380,00

351.250,00

1.270.630,00

 4.1 - Investimentos

481.500,00

329.250,00

810.750,00

 4.2 - Inversões Financeiras

107.880,00

22.000,00

129.880,00

 4.3 - Amortização da Dívida

330.000,00

-

330.000,00

4.4 – Outras Despesas de Capital Intra Orçamentárias

 

 

 

-

 

-

RESERVA DO  R P P S

-

1.020.000,00

1.020.000,00

RESERVA DE CONTINGÊNCIA

250.000,00

-

250.000,00

TOTAL

6.776.080,00

6.223.920,00

13.000.000,00

 

            Art. 7o. A diferença apurada entre a receita e a despesa, conjugada a reserva de contingência, na administração direta e nas entidades da administração Indireta refere-se às transferências financeiras (interferências) entre estes órgãos, entidades e empresas.

 

CAPÍTULO III

DA APRESENTAÇÃO E ALTERAÇÃO DO ORÇAMENTO

Seção I

Da Classificação Orçamentária da Receita e da Despesa

Art. 8o. Fica ao Poder Executivo autorizado a desdobrar a receita orçamentária até o nível solicitado pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul- TCE/RS, para acompanhamento da execução do orçamento.

Art. 9o. A despesa fixada, inclusive as dotações das entidades da administração indireta e empresas estatais dependentes, são dispostas em dotações orçamentárias atribuídas a créditos orçamentários organizados pela classificação da despesa institucional, estrutura programática e natureza da despesa até o nível de elemento de despesa.

§1o. Considerar-se-á créditos adicionais especiais, para efeitos desta Lei, o crédito orçamentário criado em novo elemento de despesa.

§2o. O Executivo poderá, por ato próprio, em relação à sua execução orçamentária, criar, transferir ou extinguir desdobramentos à classificação orçamentária da despesa por elementos de despesa e modificar as destinações e fontes de recursos.

Seção II

Da Autorização para Abertura de Créditos Suplementares

Art. 10o. Fica o Poder Executivo autorizado a abrir créditos suplementares, por Decreto, na Administração Direta e Indireta, observados os arts. 8o, 9o e 13 da Lei Complementar no 101, de 2000, mediante a utilização dos recursos:

I) da anulação parcial ou total de dotações orçamentárias, nos termos do art. 43, § 1o, inciso III, da Lei no 4.320, de 17 de março de 1964, até o limite de 50% do somatório da receita total projetada, inclusive a previsão adicional (re-estimativa), ou despesa fixada no caso de entidades que não possuam receitas próprias;

II) da Reserva de Contingência, com valores específicos para este fim no anexo de riscos fiscais;

III) de excesso de arrecadação proveniente de receitas livres ou vinculadas arrecadadas e a arrecadar, desde que para alocação nos mesmos créditos orçamentários em que os recursos dessas fontes foram originalmente programados;

IV) superávit financeiro apurado em balanço do exercício anterior, de acordo com as vinculações originais.

.           §1o. O limite para a abertura de créditos suplementares de que trata este artigo, no inciso I, é autorizado individualmente para a administração direta e para cada entidade da administração indireta e Regime Próprio de Previdência Social.

§ 2o. Poderão ser utilizadas, para efeitos de créditos adicionais, reduções de valores atribuídos a créditos orçamentários de diferentes unidades gestoras do orçamento (administração direta e indireta), sendo que os créditos adicionais especiais que envolvam o Poder Legislativo deverão possuir autorização expressa daquele Poder.

& 3o. Considerar-se-á excesso de arrecadação, para efeito desta Lei, o estorno de restos a pagar efetuado no exercício, conforme o vínculo de recurso, que se transforme em liberação de recursos financeiros como fonte de custeio para novas despesas.

Art. 11º - O limite autorizado no art. anterior não será onerado quando o crédito suplementar se destinar a atender:

 

            I — insuficiências de dotações do Grupo de Natureza da Despesa 1 — Pessoal e Encargos Sociais, mediante a utilização de recursos oriundos de anulação de despesas consignadas ao mesmo grupo;

 

II — pagamento de despesas decorrentes de precatórios judiciais, amortização, juros e encargos da dívida;

 

            III — despesas financiadas com recursos vinculados, operações de crédito e convênios;

 

CAPÍTULO IV

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 12o. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE VALE REAL, aos catorze dias do mês de novembro do ano de dois mil e doze.

 

 

 

SILVERIO STROHER

Prefeito Municipal

 

 

Registre-se e Publique-se.

 

 

 

              Cláudio Schmitz

Secretário Municipal da Administração

* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Minha Anotação
×
LEIS Nº 1025, 14 DE NOVEMBRO DE 2012
Código QR
LEIS Nº 1025, 14 DE NOVEMBRO DE 2012
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia