Ir para o conteúdo

Vale Real e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Previsão para hoje (quarta, 19 de junho)
min 18 ºC max 23 ºC
Redes sociais
Vale Real
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
LEGISLAÇÃO
Atos relacionados
Vínculos
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEIS Nº 74/1993, 22 DE SETEMBRO DE 1993
Início da vigência: 01/09/1993
Assunto(s): Fundo de Previdência - FAPS
Em vigor

Lei nº 74/1993, de 22 de Setembro de 1993.

 

 

INSTITUI O FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR -FASM- E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

 

 

SILVÉRIO STROHER, Prefeito Municipal de Vale Real, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o regime jurídico único dos servidores municipais, instituído pela lei complementar 001/93, de 22 de abril de 1993.   FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

 

Art.1º- É instituído o Fundo de Aposentadoria do Servidor Municipal FASM- vinculado à Secretaria Municipal da Administração, destinado ao custeio das aposentadorias dos  servidores  públicos  municipais ocupantes  de  cargos  de  provimento efetivo e em comissão, sujeitos ao regime  jurídico  único  do município.

 

Art.2º- Constituem recursos do FAS:

I-         o produto da arrecadação das contribuições dos servidores, em caráter compulsório, na razão de 1,25% sobre os vencimentos, remuneração e quaisquer outras vantagens percebidas pelo servidor inclusive sobre os proventos dos que se aposentaram apos a vigência do regime jurídico único;

II-        o produto da arrecadação das contribuições do Município, de 1,75% sobre o valor da folha dos servidores a que se refere o artigo 1º desta lei;

III-      os rendimentos e juros decorrentes da aplicação dos recursos do FASM.

IV-      outros rendimentos que lhe sejam destinados;

V-      o produto da arrecadação das contribuições dos servidores, na razão de 7,75%  sobre  os  seus  vencimentos,  para  assistência à saúde do servidor e de  sua  família,  que  constituirão  recursos do  FASM  até  a  vigência  do  convênio  firmado  com o IPERGS,  a quem o servidor passará a recolher diretamente a contribuição .

 

Parágrafo Único: A contribuição de que tratam os incisos I, II e V deste artigo não incide sobre o salário-família, diárias e ajudas de custo de   caráter indenizatório, tais como difícil acesso e quebra de caixa.

 

Art. 3º- As contribuições de que tratam os incisos I, II e V serão recolhidas na folha de pagamento, junto com a contribuição do órgão, até o quinto dia útil do mês seguinte àquele a que as contribuições se referirem.

 

Parágrafo Único: Os valores  das contribuições serão depositados em conta bancária aberta em nome do FASM.

 

Art. 4º- O não recolhimento das contribuições no prazo legal implicará na atualização das mesmas de acordo com o índice ou fator incidente sobre os tributos municipais, além de juros de um por cento ao mês.

 

Art. 5º- O saldo de recursos do FAS será aplicado em estabelecimento bancário que assegure, no mínimo, correção monetária do valor.

 

Art. 6º- É instituído o Conselho de Administração do Fundo-COAFAS, composto por cinco membros, indicados e nomeados pelo Prefeito Municipal, assim definidos:

I-         três servidores municipais do quadro de cargos de provimento efetivo;

II-        dois servidores do quadro de            cargos em comissão e funções gratificadas.

 

 

§ 1º- O mandato de conselheiro do COAFAS é privativo de servidor público municipal e terá a duração de dois anos, permitida a sua recondução.

 

§ 2 º- Pela atividade exercida no COAFAS  seus membros não serão remunerados.

 

§ 3º- A presidência do COAFAS será exercida por um de seus membros, com mandato de um ano, permitida a recondução uma única vez, por igual período.

 

Art.7º- Compete ao COAFAS:

I-         deliberar sobre a prestação de contas e os relatórios de execução orçamentária e financeira do FAS;

II-        fiscalizar o recolhimento das contribuições, inclusive verificando a correta base de cálculo;

III-      analisar e fiscalizar a aplicação do saldo de recursos do FAS quanto à forma, prazo e natureza dos investimentos;

IV-      propor a alteração das alíquotas referentes às contribuições a que alude o artigo 2º desta lei, com vistas a assegurar a viabilidade econômica financeira do FAS;

V-        baixar instruções, necessárias à devolução de parcelas do beneficio de  aposentadoria indevidamente recebidas.

 

Art. 8º- As tarefas técnico administrativas relativas ao FAS, inclusive a elaboração da folha de pagamento dos aposentados, serão exercidas pela Secretaria Municipal da Administração.

 

Art. 9º- Os recursos do FAS integrarão o orçamento da Secretaria Municipal da Administração, nos termos da legislação pertinente.

 

Art. 10º- Cento e oitenta dias após a vigência desta lei, todas as aposentadorias dos servidores municipais inativos serão custeadas pelo FAS.

 

Art.11º- As despesas e a movimentação das contas bancárias em nome do FASM serão autorizadas em conjunta e pelo presidente do COAFAS e pelo Prefeito Municipal.

 

Art. 12º- Compete ao presidente do COAFAS, após deliberação do Conselho, acionar judicialmente as entidades a que se refere o artigo 2º, inciso II desta lei, para compeli-las a efetuar os das contribuições do FASM.

 

Parágrafo Único: A ação Judicial de que trata este artigo também poderá ser promovida pelo próprio servidor, ativo ou inativo ou por associação da categoria.

 

Art. 13º- O município garantirá a assistência médica e hospitalar ao servidor e sua família, através do convênio com o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, para o qual contribuirão o servidor e o município, ambos na razão de 7,75% (sete virgula setenta e cinco por cento) sobre os vencimentos, remuneração e quaisquer  outras vantagens percebidas pelo servidor.

 

Parágrafo único: O convênio firmado com o IPERGS assegurará ainda, pensão pós-morte.

 

Art. 14º- Revogam-se as disposições em contrário, especialmente as disposições da lei 050/93, de 09.06.1993.

 

Art. 15º- Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação e produzirá seus efeitos retroativos a 01 de setembro de 1993.

                       

GABINETE DO SENHOR PREFEITO MUNICIPAL DE VALE REAL, aos vinte e dois dias do mês de setembro de 1993.

Autor
Executivo
* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Atos relacionados por assunto
c
Ato Ementa Data
LEIS Nº 681/2006, 19 DE JANEIRO DE 2006 Estabelece as alíquotas de contribuição de custeio do Regime Próprio de Previdência dos Servidores Efetivos do Município de Vale Real - RPPS e dá outras providências. 19/01/2006
LEIS Nº 477/2001, 22 DE NOVEMBRO DE 2001 "INSTITUI O FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR - FAPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". 22/11/2001
LEIS Nº 220/1996, 29 DE MAIO DE 1996 INSTITUI O FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÕES DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL –FAPS- E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 29/05/1996
LEIS Nº 124/1994, 29 DE JUNHO DE 1994 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO NO SISTEMA PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO, DOS OCUPANTES DE CARGOS EM COMISSÃO REVOGA A LEI 099/93 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 29/06/1994
LEIS Nº 75/1993, 30 DE SETEMBRO DE 1993 COMPLEMENTA AS FINALIDADES DO FASM E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 30/09/1993
Minha Anotação
×
LEIS Nº 74/1993, 22 DE SETEMBRO DE 1993
Código QR
LEIS Nº 74/1993, 22 DE SETEMBRO DE 1993
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia